A primavera chegou, enfim. Dentro de mim aquela certeza que, assim como o tempo e as estações, as coisas mudam. Eu mudo.

Estou numa fase muito interessante. Cheia de ideias e expectativas. Com a diferença que, dessa vez, eu sei que os projetos só dependem de mim para serem realizados.

Tudo está no seu lugar e se encaixando. Minha visão, um pouco mais aguçada, vê a Alemanha com outros olhos. A paixão e a admiração continuam. Mas, as rugas, as marcas de expressão e as cicatrizes estão mais visíveis agora.

Às vezes, pego-me pensando “se não aqui, aonde?” E percebo que essa pergunta me faz refletir sobre o que eu quero pro futuro. Ficarei no mesmo lugar? Estarei com a mesma vida de agora? Nessa cidade? Nesse país?

Aí constato que minha realidade, hoje, não tem fronteiras, nem limites. Aliás, ela tem a fronteira e o limite que eu quiser.

E eu chamo isso de Wanderlust.