Vocês não têm ideia da epifania que eu tive nesse exato momento.

Tudo começou com um post no Facebook da menina Ana Carolina. Ela postou um vídeo do RPM!!!! Mas, não qualquer vídeo e, sim, o de uma das músicas preferidas da minha infância. Eu lembro que eu chorava horrores ouvindo essa música porque eu me emocionava profundamente. Meus tios, que também eram fãs de RPM e foi com eles e por eles que aprendi a gostar da banda, não entendiam como é que uma música, ainda mais em inglês, poderia fazer uma menina de seis ou sete anos chorar.

O tempo passou e eu, apesar de continuar fã do Paulo Ricardo (me chamem de brega, nem ligo) e ter o CD do RPM (ou as músicas no computador. heheheh), esqueci da bendita música.

Aí veio a menina Ana Carolina e refresca minha memória.

A epifânia foi que, hoje, eu sei porque eu chorava ao ouvir essa música quando criança. Eu sinto e senti cada palavra e sentido que Caetano Veloso quis dar à música quando ele a escreveu. Eu sei, hoje, o que significa “I know, I know no one here to say hello/ I know they keep the way clear/ I am lonely in London without fear (…) And It’s so good to live in peace”

E aí que meu choro (porque é claro que eu chorei horrores de novo) fez mais sentido.

Hoje. Em Berlim.